ESCOLA E.B. 2,3 PROF. ANTÓNIO PEREIRA COUTINHO

13
Jan 08

Transcrevemos um artigo publicado no Semanário Sol no passado dia 23 de Outubro:
Perfil do leitor português: «Ainda é pouco exigente»
«Desde 1997, data do último estudo, o leitor português criou uma relação de maior proximidade com livros, jornais e revistas, mas falta-lhe exigência nas escolhas, afirma a coordenadora do projecto do PNL.»
« Na apresentação do estudo,em lisboa, no âmbito da Conferência do Plano Nacional de Leitura (PNL), Maria de Lurdes Santos sublinhou as «mudanças positivas mas modestas»
dos índices de leitura em Portugal.

Maria de Lurdes Santos, responsável do Observatório das actividades culturais, realçou a diminuição do número de não-leitores dos últimos 10 anos, que desceu de 12 para 5 por cento.

«Estes não-leitores- esclareceu - são hoje, sobretudo, pequenos leitores, que lêem entre um e cinco livros por ano».

Quanto ao perfil do leitor, a coordenadora do estudo observou que aquele está a mais à vontade face ao suporte impresso, mas é pouco exigente na sequência de leitura e no tocante aos géneros que prefere.

«Há um aumento dos que lêem nos transportes públicos e nos cafés e há um aumento dos que compram livros em deambulação e recreio, ou seja, em feiras do livro ou em grandes superfícies», assinalou.

Perantes estes dados, a comissária do Plano Nacional de Leitura, a escritora Isabel Alçada, afirmou que houve uma evolução positiva e que este estudo servirá para o PNL tomar decisões mais concretas sobre os incentivos à leitura.

«Para agir bem - argumentou -, é preciso saber a verdade e criar condições para que a população portuguesa dê mais valor à leitura».

Na sua avaliação, «as bibliotecas públicas são os grandes motores para incentivar a leitura».


Hábitos aumentaram desde 1997, mas portugueses lêem mais jornais do que livros
«Os portugueses passaram a ler mais nos últimos dez anos, mas a maioria lê muito mais jornais e revistas do que livros, segundo um estudo  apresentado em Lisboa.

O estudo foi feito pelo Observatório das Actividades Culturais e foi apresentado na conferência do Plano Nacional de Leitura, a decorrer na Fundação Calouste Gulbenkian.

O documento, intitulado «A leitura em Portugal», traça uma panorâmica exaustiva dos hábitos de leitura dos portugueses e é o primeiro do género em dez anos, dado que o último data de 1997.

Desta vez, a investigação incidiu sobre um universo de 7,5 milhões de habitantes, residentes no continente, com 15 anos ou mais, que sabem ler e escrever, e do qual foi retirada uma amostra de 2.252 indivíduos.

O estudo revela que 57 por cento dos portugueses (cerca de 4,2 milhões de habitantes) lê livros, mas a média é de duas a cinco obras literárias por ano. Apenas sete por cento lê anualmente entre 11 e 20 livros, excluindo livros escolares.

Apesar de, nos últimos dez anos, ter havido um aumento de sete por cento da leitura de livros, os jornais (83 por cento) e as revistas (73 por cento) são os suportes preferidos dos portugueses.

Segundo o estudo, são sobretudo as mulheres que lêem livros (64 por cento contra 49 por cento dos homens), têm entre 15 e 24 anos, o ensino médio e superior e são maioritariamente estudantes (87,5 por cento).

A maioria (96,3 por cento) gosta de ler em casa, mas apenas 45,8 por cento dedica diariamente cerca de meia hora à leitura, seja de livros, jornais ou revistas.

Nove em cada dez inquiridos dizem possuir livros, sobretudo enciclopédias, livros escolares, culinária/decoração e romances de amor. A preferência vai para livros de autores portugueses e só depois escritores estrangeiros traduzidos para português.

Apesar da maioria dos portugueses dizer que tem livros em casa, as bibliotecas pessoais são muito parcas: sem contar com os livros escolares, trinta por cento diz ter em casa entre 21 e 50 livros.

O início de aprendizagem da leitura acontece entre os seis e sete anos e os incentivos para que os inquiridos lessem mais na infância foi feito sobretudo pelos pais e pelos professores.

Para 49,6 por cento dos leitores portugueses, os livros infantis e juvenis foram o género mais importante para que gostassem de ler.

Nove em cada dez que gostavam de ler na infância continuaram a fazê-lo ao longo da vida, mas não é por isso que despendem mais dinheiro em livros.

É que 32 por cento dos portugueses são pequenos compradores, por comprarem anualmente entre uma a cinco obras literárias. Os grandes compradores são aqueles que adquirem em média um livro por mês e esses somam apenas 4,9 por cento.

E 51,4 por cento dos leitores de livros disse não ter comprado qualquer obra literária ao longo do último ano. Se são as mulheres que lêem mais livros, também são elas que mais compram, sejam pequenas, médias ou grandes compradoras.

E nesta equação de compra, quanto maior é a formação escolar dos portugueses maior é o número de livros que compram e quanto mais velhos, menos livros adquirem.

A compra de livros pela Internet é considerada residual, já que mais de noventa por cento diz que nunca compra livros por aquela via.

 Dos 7,5 milhões de portugueses, cerca de 352 mil (4,7 por cento) não lêem jornais, revistas ou livros. A leitura cinge-se a recibos, facturas, marcas e preços de produtos e legendas de televisão e filmes.

Ainda assim, este valor é substancialmente reduzido se comparado com o cenário de há dez anos, quando se verificava que 12,4 por cento dos inquiridos não liam nem livros, nem jornais ou revistas. Os inquéritos deste estudo foram realizados entre Novembro de 2006 e Janeiro de 2007.»

Fim

Maria  L.
publicado por CREM Pereira Coutinho às 17:35

Tudo a Ler... é preciso.


A campanha dos supermercados Continente "Tudo a Ler" já apurou as escolas vencedoras. Logo que as listagens sejam divulgadas oficialmente, daremos notícia!

Cada escola vencedora  irá receber 500 livros recomendados pelo Plano Nacional de Leitura do Ministério da Educação.

A nossa Biblioteca concorreu porque a  funcionária Sr.ª D.ª Ana Margarida  e a aluna de 8º ano, Daniela Oliveira, tiveram enorme paciência e mostraram uma excepcional dedicação à causa, preenchendo tantos e tantos cupões.

E... se ganharmos? Se ganharmos vai ser um problema:Vão faltar estantes!

E a "Guida" e a Daniela serão as grandes responsáveis, se houver falta de estantes...Terão de ser punidas e o castigo será: continuarem por muito tempo a trabalhar, a colaborar, a dinamizar e a sorrir no CremPereira e mais... a meter na ordem os alunos "mafaricos"  como os que as imagens, que se seguem, mostram.

Ora vejam bem!


















Tudo a Ler... é preciso.

Até o cão e o gato lêem!

Esperemos que esta história tenha um final feliz!
http://youtube.com/watch?v=xn1w3kLoOuA
Queen - We Are The Champions

Good luck!
Maria L.
publicado por CREM Pereira Coutinho às 13:27

Janeiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
mais sobre mim
pesquisar
 
blogs SAPO